Biodiversidade Biotecnologias Biossegurança

Este Blog foi originalmente criado para os eventos da COP-8 e MOP-3 realizados em março de 2005/Curitiba. Devido à importância de tais temas para a humanidade, a Revista Consciê continuará repassando informações relacionadas, incluindo comentários e matérias pertinentes. Boa leitura! Editores responsáveis: Clarissa Taguchi, Paula Batista e Gustavo Barreto. Da revista Consciência.Net -

domingo, agosto 12, 2007

Genetically Modified Foods: Toxins and Reproductive Failures

By Jeffrey M. Smith

Rhetoric from Washington since the early 1990s proclaims that genetically modified (GM) foods are no different from their natural counterparts that have existed for centuries. But this is a political, not a scientific assertion. Numerous scientists at the FDA consistently described these newly introduced gene-spliced foods as cause for concern. In addition to their potential to produce hard-to-detect allergies and nutritional problems, the scientists said that "The possibility of unexpected, accidental changes in genetically engineered plants" might produce "unexpected high concentrations of plant toxicants."[1] GM crops, they said, might have "Increased levels of known naturally occurring toxins, . . . appearance of new, not previously identified" toxins, and an increased tendency to gather "toxic substances from the environment" such as "pesticides or heavy metals." They recommended testing every GM food "before it enters the marketplace."[2] But the FDA was under orders from the first Bush White House to promote the biotechnology industry, and the political appointee in charge of agency policy was Monsanto’s former attorney - later their vice president. The FDA policy ignored the scientists' warnings and allowed GM food crops onto the market without any required safety studies.

From the few safety tests that have been conducted, the results are disturbing - lab animals fed GM diets show damage to virtually every system studied. Reports from farmers are even less encouraging— - housands of sick, sterile and dead animals are traced to GM feed.[3]

GM diet shows toxic reactions in digestive tract

The very first crop submitted to the FDA's voluntary consultation process, the FlavrSavr tomato, showed evidence of toxins. Out of 20 female rats fed the GM tomato, 7 developed stomach lesions.[4] The director of FDA’s Office of Special Research Skills wrote that the tomatoes did not demonstrate a "reasonable certainty of no harm,"[5] which is their normal standard of safety. The Additives Evaluation Branch agreed that "unresolved questions still remain."[6] The political appointees, however, did not require that the tomato be withdrawn.[*]

According to Arpad Pusztai, PhD, one of the world's leading experts in GM food safety assessments, the type of stomach lesions linked to the tomatoes "could lead to life-endangering hemorrhage, particularly in the elderly who use aspirin to prevent [blood clots]."[7] Pusztai believes that the digestive tract should be the first target of GM food risk assessment, because the gut is the first (and largest) point of contact with the foods; it can reveal various reactions to toxins. He was upset, however, that the research on the FlavrSavr never looked passed the stomach to the intestines. Other studies that did look found problems.

Mice were fed potatoes with an added bacterial gene, which produced an insecticide called Bt-toxin. Scientists analyzed the lower part of their small intestines (ileum) and found abnormal and damaged cells, as well as proliferative cell growth.[8] Rats fed potatoes engineered to produce a different type of insecticide (GNA lectin from the snowdrop plant) also showed proliferative cell growth in both the stomach and intestinal walls (see photo).[9] Although the guts of rats fed GM peas were not examined for cell growth, the intestines were mysteriously heavier; possibly resulting from such growth.[10] Cell proliferation can be a precursor to cancer and is of special concern.

GM diets cause liver damage

The state of the liver - a main detoxifier for the body - is another indicator of toxins.

*Rats fed the GNA lectin potatoes described above had smaller and partially atrophied livers.[11]
*Rats fed Monsanto’s Mon 863 corn, engineered to produce Bt-toxin, had liver lesions and other indications of toxicity.[12]
*Rabbits fed GM soy showed altered enzyme production in their livers as well as higher metabolic activity.[13]
*The livers of rats fed Roundup Ready canola were 12%–16% heavier, possibly due to liver disease or inflammation.[14]

And microscopic analysis of the livers of mice fed Roundup Ready soybeans revealed altered gene expression and structural and functional changes.[15] Many of these changes reversed after the mice diet was switched to non-GM soy, indicating that GM soy was the culprit. The findings, according to molecular geneticist Michael Antoniou, PhD, "are not random and must reflect some 'insult' on the liver by the GM soy." Antoniou, who does human gene therapy research in King’s College London, said that although the long-term consequences of the GM soy diet are not known, it "could lead to liver damage and consequently general toxemia."[16]

Higher death rates and organ damage

Some studies showed higher death rates in GM-fed animals. In the FlavrSavr tomato study, for example, a note in the appendix indicated that 7 of 40 rats died within two weeks and were replaced.[17] In another study, chickens fed the herbicide tolerant Liberty Link corn died at twice the rate of those fed natural corn.[18] But in these two industry-funded studies, the deaths were dismissed without adequate explanation or follow-up.

In addition, the cells in the pancreas of mice fed Roundup Ready soy had profound changes and produced significantly less digestive enzymes;[19] in rats fed a GM potato, the pancreas was enlarged.[20] In various analyses of kidneys, GM-fed animals showed lesions, toxicity, altered enzyme production or inflammation. Enzyme production in the hearts of mice was altered by GM soy.[21] And GM potatoes caused slower growth in the brain of rats.[22]

Reproductive failures and infant mortality

In both mice and rats fed Roundup Ready soybeans, their testicles showed dramatic changes. In rats, the organs were dark blue instead of pink (see photo).[23] In mice, young sperm cells were altered.[24] Embryos of GM soy-fed mice also showed temporary changes in their DNA function, compared to those whose parents were fed non-GM soy.[25]

More dramatic results were discovered by a leading scientist at the Russian National Academy of sciences. Female rats were fed GM soy, starting two weeks before they were mated.

Over a series of three experiments, 51.6 percent of the offspring from the GM-fed group died within the first three weeks, compared to 10 percent from the non-GM soy group, and 8.1 percent for non-soy controls.

*"High pup mortality was characteristic of every litter from mothers fed the GM soy flour."[26]
*The average size and weight of the GM-fed offspring was quite a bit smaller.[27]
*In a preliminary study, the GM-fed offspring were unable to conceive.[28]

After the three feeding trials, the supplier of rat food used at the Russian laboratory began using GM soy in their formulation. Since all the rats housed at the facility were now eating GM soy, no non-GM fed controls were available for subsequent GM feeding trials; follow-up studies were canceled. After two months on the GM soy diet, however, the infant mortality rate of rats throughout the facility had skyrocketed to 55.3 percent (99 of 179).[29]

Farmers report livestock sterility and deaths

About two dozen farmers reported that thousands of their pigs had reproductive problems when fed certain varieties of Bt corn. Pigs were sterile, had false pregnancies, or gave birth to bags of water. Some cows and bulls also became sterile. Bt corn was also implicated by farmers in the deaths of cows, horses, water buffaloes, and chickens. [30]

When Indian shepherds let their sheep graze continuously on Bt cotton plants, within 5-7 days, one out of four sheep died. There was an estimated 10,000 sheep deaths in the region in 2006, with more reported in 2007. Post mortems on the sheep showed severe irritation and black patches in both intestines and liver (as well as enlarged bile ducts). Investigators said preliminary evidence "strongly suggests that the sheep mortality was due to a toxin. . . . most probably Bt-toxin."[31]

Dangerous denial

The warnings of the FDA scientists appear to have come true. But we were not supposed to know about their concerns. The agency's internal memos were only made public due to a lawsuit. Instead, we were supposed to believe the official FDA policy, claiming that the agency is not aware of information showing that GM foods are meaningfully different. This statement, crafted by political appointees, directly contradicts the scientific consensus at the FDA.

Nearly every independent animal feeding safety study on GM foods shows adverse or unexplained effects. But we were not supposed to know about these problems either - the biotech industry works overtime to try to hide them. Industry studies described above, for example, are neither peer-reviewed nor published. It took lawsuits to make two of them available. And adverse findings by independent scientists are often suppressed, ignored, or denied. Moreover, researchers that discover problems from GM foods have been fired, stripped of responsibilities, deprived of tenure, and even threatened. The myth that GM crops are the same safe food we have always eaten continues to circulate.

With the overwhelming evidence of problems since their introduction in 1996, however, it is likely that GM foods are contributing to the deterioration of health in the United States. Without human clinical trials or post-marketing surveillance, we can’t tell which worsening health statistic may be due to these foods. But we also can’t afford to wait until we find out. GM foods must be removed from our diet immediately. Fortunately, more and more people are making healthy non-GM choices for themselves and their family. To learn which foods are genetically modified and how to protect yourself, visit

quarta-feira, agosto 08, 2007

Ibama e Anvisa pedem anulação da liberação de milho transgênico

Dois recursos apresentados ao Conselho Nacional de Biossegurança apontam irregularidades na liberação comercial do milho Liberty Link, da Bayer. Lista com sugestões para a CTNBio é encaminhada à ministra Dilma Rousseff.

RIO DE JANEIRO – A controversa liberação comercial do milho transgênico Liberty Link pela Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), que já havia sido suspensa pela Justiça há duas semanas, pode estar prestes a sofrer um novo revés. Dois importantes órgãos de fiscalização ligados ao governo federal - a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) - apresentaram recursos ao Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS) pedindo a anulação da decisão da CTNBio.

Desenvolvido pela empresa transnacional Bayer CropScience, o Liberty Link teve sua liberação aprovada pela CTNBio em 16 de maio, numa decisão imediatamente criticada por organizações do movimento socioambientalista e por setores do próprio governo. Os recursos apresentados por Ibama e Anvisa estão em acordo com a Lei de Biossegurança, que determina que as decisões da Comissão podem ser revogadas pelo CNBS, que é um colegiado composto por onze ministérios (Casa Civil, Ciência e Tecnologia, Saúde, Meio Ambiente, Desenvolvimento Agrário, Agricultura, Justiça, Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Relações Exteriores, Defesa e Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca).

No documento encaminhado na sexta-feira (6) à ministra Dilma Rousseff, que preside o CNBS, o Ibama evoca “a possibilidade de que a deliberação tomada pela CTNBio traga graves impactos para a saúde pública e, em especial, para o meio ambiente” e enumera as razões para isso: “Inexistência de estudo prévio de impacto ambiental realizado nas condições edafoclimáticas do país; ausência de avaliação de risco, caso a caso, que fundamente a decisão da Comissão; ausência de Instrução Normativa específica com diretrizes para analisar a avaliação de risco; ausência de plano e procedimentos de coexistência do cultivo de milho geneticamente modificado sem contaminação de outros tipos de milho e irregularidades processuais”.

Em nota divulgada para explicar a ação do Ibama, o Ministério do Meio Ambiente (MMA), ao qual o órgão é subordinado, afirma que “a tramitação do processo não cumpriu vários dispositivos legais contidos tanto na Lei de Biossegurança como também no decreto 5.591/05 e no Regimento Interno da própria CTNBio”. O MMA afirma que “pareceres levados à plenária não foram aprovados nas respectivas subcomissões”, que “o pedido de sigilo de várias partes do processo tampouco foi apreciado e votado pela plenária” e que “durante mais de oito anos o processo tramitou de forma ilegal, pois grande parte estava em língua inglesa”.

A “ausência absoluta da avaliação de risco ambiental” na decisão da CTNBio também preocupa o MMA: “Não há no processo estudos ou literatura que comprovem a ausência de danos ambientais, razão pela qual a decisão técnica não poderia ter sido emitida, pois esta ausência de dados contraria a legislação brasileira, bem como o Protocolo de Cartagena sobre Biossegurança”, diz a nota divulgada pelo ministério.

Perigo para os bebês
Também encaminhado à ministra Dilma Rousseff, o recurso da Anvisa contra a liberação comercial do milho transgênico da Bayer tem teor semelhante ao documento do Ibama. A Agência afirma que, após analisar o parecer técnico emitido pela CTNBio, “verificou que o processo de liberação comercial do milho Liberty Link possui estudos inadequados e insuficientes para atestar a segurança alimentar e determinar os riscos à saúde pública da cultura geneticamente modificada”.

Entre as irregularidades no processo apontadas pela Anvisa, estão “a insuficiência ou inexistência de estudos toxicológicos ou de alergenicidade para comprovar a segurança do milho Liberty Link para o consumo humano”. A Agência afirma que a Bayer deve apresentar maiores conclusões acerca dos efeitos do consumo de seu milho transgênico sobre as pessoas, em especial as conseqüências sobre a amamentação de bebês: “A empresa deve apresentar estudos que demonstrem a presença ou ausência da enzima PAT ou de seus componentes de degradação no leite materno, bem como estudos que relatem os possíveis efeitos da enzima PAT sobre a prole de mamíferos”, diz o documento.

Sugestões à CTNBio
O recurso encaminhado ao CNBS pelo Ibama traz uma lista com sugestões a serem adotadas de agora em diante pela CTNBio: a) não aceitação de processos em língua estrangeira; b) não adoção da equivalência substancial como critério único de biossegurança, como ocorreu com o milho Liberty Link; c) observância ao principio da precaução; d) inclusão de medidas de biossegurança, como regras de coexistência e plano de monitoramento, no corpo da decisão técnica; e) exigência de realização de avaliação de riscos em ecossistemas brasileiros; f) não aceitação de sigilo em produtos transgênicos a serem comercializados.

terça-feira, agosto 07, 2007

Lei da Biossegurança em cinco idiomas

07/08/2007 Por Thiago Romero

Agência FAPESP – O livro Biossegurança e engenharia genética: legislação brasileira, que acaba de ser lançado, é voltado a pesquisadores envolvidos com acordos internacionais de cooperação científica e trabalhos em parceria com instituições de outros países.

Organizado por Silvio Valle Moreira, pesquisador titular da Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz), e Yara Barreira, pesquisadora do Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica (Inserm), na França, a publicação traz em 144 páginas a Lei de Biossegurança brasileira em francês, espanhol, inglês e italiano, além do português.

A idéia do livro surgiu para sanar dúvidas que representantes de institutos de pesquisa parceiros da Fiocruz tinham na hora de discutir especificidades de estudos que esbarram na lei que regulamenta a produção e comercialização de organismos geneticamente modificados e o uso das células-tronco de embriões humanos para fins de pesquisa.

“A falta de conhecimento da legislação brasileira sempre nos preocupou. Ela prevê que tanto as instituições que financiam como as que participam de uma pesquisa na área de engenharia genética no Brasil são co-responsáveis pelos resultados, sejam positivos ou não”, disse Moreira, coordenador dos cursos sobre biossegurança da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio da Fiocruz, à Agência FAPESP.
Segundo ele, como a Lei de Biossegurança é complexa e abrange desde microrganismos, plantas e produtos farmacêuticos até animais e seres humanos, o livro permite que especialistas de outros países também se aprofundem no texto brasileiro.

“A obra agilizará os acordos de cooperação, dará mais segurança jurídica na transferência de tecnologias e auxiliará as empresas estrangeiras que desejam investir no campo da engenharia genética no Brasil”, explicou.
Segundo Moreira, a Fiocruz mantém acordos na área com boa parte dos países da América Latina, África e Ásia, além dos Estados Unidos e países da Europa como França, Itália e Alemanha.

“É difícil precisar quantos acordos de cooperação internacional a Fiocruz tem atualmente, mas a maior parte dos projetos realizados em parceria nas diferentes áreas da biologia envolve experimentos e técnicas da engenharia genética, o que justifica a tradução da lei para outros idiomas”, afirmou.

O trabalho de tradução foi realizado por meio de profissionais junto às embaixadas dos países no Brasil. O livro está sendo distribuído gratuitamente para instituições brasileiras de ciência e tecnologia que tenham trabalhos de cooperação internacional na área de engenharia genética.

Mais informações: ou pelo telefone (21) 2590-2073.

quarta-feira, agosto 01, 2007

Risco transgênico.

Peru proíbe variedade transgênica Bt da batatinha

Nagib Nassar, professor titular de genética da UnB, publica a seguinte nota no jornal Folha de S. Paulo, 30-07-2007:

"Em seu último número, a revista "Nature" relatou a notícia sobre a proibição da variedade transgênica Bt da batatinha pelo governo peruano. A decisão foi tomada porque aquele país é centro da origem e da biodiversidade dessa cultura e onde centenas de espécies nativas e cultivares indígenas crescem silvestremente. Há perigo de contaminá-las pelos genes do Bt. Antes de o governo peruano tomar essa decisão, o México proibiu totalmente o plantio ou o consumo do milho Bt pelas mesmas razões. A Grécia estendeu a proibição a 20 variedades do milho transgênico Bt. Será que essas notícias chegaram aos ouvidos de certos senhores da CTNBio?"

Mais um impasse na aprovação de transgênicos

Governo esclarece que não estuda revogação da biossegurança

Uma nova polêmica ameaça a liberação de plantios comerciais de transgênicos no país.

O processo foi detonado nesta semana com a notícia publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo de que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) propôs um roteiro de questões a serem respondidas pelas empresas detentoras da tecnologia.

Pela sugestão, indústrias teriam de atender às exigências da Anvisa antes
mesmo de o pedido passar pelo crivo da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio). Na opinião do secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério de Ciência e Tecnologia, Luiz Antônio Barreto de Castro, se a Anvisa vier a criar um órgão de análise de risco para os transgênicos, papel que cabe à CTNBio, a conseqüência poderia ser a revogação da Lei. Para o secretário, na existência de dois órgãos que definam sobre a mesma questão, o caminho provável seria a revogação da lei, e cada órgão envolvido faria sua própria análise.

A Casa Civil se apressou em esclarecer, em nota, que o assunto não está em
discussão, destacando o posicionamento de Barreto como pessoal. A posição
tranqüilizou os pesquisadores. Para a diretora executiva do Conselho de Informações sobre Biotecnologia, Alda Lerayer, não há sentido na proposta da Anvisa, pois comissão já desempenha este papel e o Ministério da Saúde tem assento no grupo.

A CTNBio formada por especialistas para avaliar a segurança de pesquisa e o
comércio de produtos com organismos geneticamente modificados passou a se reunir em 2006, mas a disputa política e as brigas judiciais atrasam os processos. Contudo, o diretor da Anvisa, Cláudio Maierotch, avalia que são adotados procedimentos diferenciados na análise dos processos, seguindo critérios pessoais dos conselheiros.

A cada novo pedido, ambientalistas do Greenpeace afirmam haver uma série de falhas nas avaliações desenvolvidas pela CTNBio, o que tem facilitado o ingresso de ações judiciais contra as liberações comerciais de produtos, como por exemplo o Lyberty Link desenvolvido pela Bayer. Pela inexistência de um plano de monitoramento imposto como condição para o plantio comercial, o processo foi devolvido pelo Conselho Nacional de Biossegurança (CNBS) à CTNBio, encarregada de elaborar o estudo até o final de agosto.

Quando isso ocorrer, o produto terá de enfrentar recursos apresentados ao
Conselho pelo Instituto do Meio Ambiente (Ibama) e Anvisa, que solicitaram novos estudos sobre a cultivar no ambiente e a coexistência entre a transgênica e convencional. De acordo com a legislação, o Conselho, formado por 11 ministros, tem a palavra final sobre a liberação de plantio, que já teve parecer favorável da CTNBio no primeiro semestre.

Na fila

Hoje, 10 solicitações aguardam parecer da CTNBio

O pedido de liberação para um dos milhos da Monsanto, o próximo da fila após
o Liberty Link, foi adiado para uma possível análise no mês de agosto.

Fonte: Clipping Anvisa, Zero Hora - Terça-feira, 31 de julho de 2007.

Alimento geneticamente modificado: critérios garantirão mais segurança

24 de Julho de 2007
Fonte: Assessoria de Imprensa da Anvisa

Proteger a saúde da população de possíveis riscos decorrentes do consumo de alimentos contendo Organismos Geneticamente Modificados (OGM). Esse é o objetivo da Consulta Pública 63 da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), aberta até o próximo dia 10 de setembro, que pretende definir padrões para procedimentos de avaliação de segurança deste tipo de alimento pela Comissão Técnica Nacional de da Política Nacional de Biossegurança relativa a OGM.

A partir desta iniciativa da Anvisa, uma série de normas deverá ser cumprida na avaliação da segurança de alimentos que contenham OGM e seus derivados. De acordo com o gerente de Ações de Ciência e Tecnologia da Agência, Lucas Medeiros, a normatização desses procedimentos é uma resposta da Anvisa à demanda social pela garantia da qualidade dos alimentos com algum tipo de modificação genética.

Segurança - A Consulta Pública 63 propõe 119 questões que permitirão avaliar se os dados apresentados pelos interessados em obter liberação comercial de produtos com OGM comprovam ou não a segurança de uso para o consumo humano. Essas questões estão divididas em quatro áreas de análise: modificação genética, organismos receptores, segurança alimentar e qualidade nutricional.

"Durante mais de um ano, um grupo de especialistas e colaboradores em saúde analisou os critérios que agora estão em consulta pública", explica Medeiros. Este mês, a Anvisa formalizou os trabalhos do grupo e instituiu a Comissão de avaliação de segurança de produtos sujeitos à vigilância sanitária que contenham ou consistam de OGMs e seus derivados. Formada por representantes de oito setores da Anvisa, do Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde (INCQS) e da comunidade científica, a Comissão é responsável por orientar a Agência na elaboração de documentos sobre avaliação de segurança desses produtos.

Articulação - Os critérios técnicos previstos na consulta pública subsidiarão a atuação da Anvisa na Comissão de Biossegurança em Saúde (CBS) do Ministério da Saúde. A CBS, a pedido da Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio), avalia os processos relativos a pedidos de liberação comercial de alimentos geneticamente modificados, incluindo os transgênicos.

De acordo com a Lei de Biossegurança (nº 11.105/05), a liberação comercial de OGM e derivados é competência da CTNBio, respeitadas as competências legais de fiscalização e regulamentação de outras instituições federais. Por isso, no caso dos transgênicos, o processo de liberação comercial passa por análise da CBS, da qual a Anvisa é membro permanente.

Participação - As contribuições à Consulta Pública 63 podem ser enviadas, até o próximo dia 10 de setembro, para a Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Gerência-Geral de Alimentos, SEPN 511, Bloco "A", Edifício Bittar II, Asa Norte, Brasília - DF, CEP 70.750.546; para o endereço eletrônico: ou pelo fax: (61) 3448-6274.

Cerimônia de institucionalização do Instituto Virtual da Biodiversidade

Agência FAPESP – Na quinta-feira (2/8), a partir das 9h30, a FAPESP, no âmbito do Programa Biota, realizará a cerimônia de institucionalização do Instituto Virtual da Biodiversidade, uma parceria entre a Fundação e as três universidades públicas paulistas – Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

A parceria visa a promover a cooperação acadêmica entre as instituições na área de pesquisa em caracterização, conservação, recuperação e uso sustentável da biodiversidade do Estado de São Paulo.

O objetivo é garantir a guarda, a manutenção e o contínuo desenvolvimento das ferramentas de integração da comunidade acadêmica desenvolvidas pelo Programa Biota, que interliga mais de 500 pesquisadores paulistas participantes de 50 projetos de pesquisa.

A cerimônia, na sede da FAPESP, contará com a participação do professor Michel Loreau, da Universidade McGill, no Canadá, que ministrará a palestra “Por que precisamos de um Mecanismo Internacional de Expertise Científica em Biodiversidade (IMoSEB)?”.

Loreau é também chefe do comitê científico do Programa Internacional de Ciências da Biodiversidade (Diversitas) e co-responsável pelo comitê executivo do Mecanismo Internacional de Expertise Científica sobre a Biodiversidade (IMoSEB).

Mais informações: ou (11) 3838-4216